sexta-feira, 4 de junho de 2021

Chuvosa, porém quente

 


Os gatos, felizes, brincam com suas antenas como se bigodes fossem na poltrona da sala na tarde chuvosa, enquanto a adolescente e o namorado, no mesmo diapasão, abrem suas asas e voam em sílabas breves degustadas pelos caminhos do Peloponeso, quando os olhos se tocam, os braços se abraçam, os lábios se beijam sem que nada lhes pareça estranho no meio da tarde chuvosa. Após uma breve explosão, lacerações visíveis gotejam dos corpos suados como se fosse a chuva no meio da tarde, alagando as vias do bairro, até que a adolescente, com os olhos bem acesos, pergunta, engolindo as palavras, ao jovem mancebo se ele ainda tinha fôlego para soprar as nuvens para que elas continuassem se derretendo.


(José Carlos Sant Anna)


8 comentários:

  1. Ah, o amor adolescente ! um amor muito apressado.
    _não se importam muito sobre mudanças de estações são como aqueles vulcões em erupção, Jcarlos.
    E aquela' breve explosão' não se conta em horas porque são donos do tempo... e tem o brilho tal qual o espocar dos fogos de artifício _cumprindo o ato enquanto e apesar da noite chuvosa. Bons tempos !
    Gosto dos seus devaneios _ me fazem voar por outros caminhos já idos. Deixo muitos abraços. Por ser virtuais, precisa ser muitos para serem sentidos , rs
    Fica bem , amigo.

    ResponderExcluir
  2. El amor naciendo, los impulsos que arrastran deseos y la adolescencia disparada en sueños
    Me ha gustado leerte
    Nuen fin de semana
    Un abrazo
    Carmen

    ResponderExcluir
  3. Esos primeros aprendizajes amorosos, pasionales de la adolescencia marcan de alguna manera el camino de los futuros amores, son una especie de experiencias previas en donde el descubrirse mutuamente, en este dar y recibir placer, van abriendo las puertas paulatinamente a la sexualidad adulta. Un bello relato José Carlos!Te dejo un abrazo grande
    Feliz domingo!

    ResponderExcluir
  4. Agradeço sua visita ao meu blog.
    Um lindo amor adolescente que me deu muito prazer de ler.

    Bom final de semana.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. É sempre quente, a chuva amorosa da adolescência.

    Gostei imenso deste seu devaneio literário.

    Um beijinho, amigo José Carlos






    ResponderExcluir
  6. Ahh... que maravilha! O amor tem mil maneiras de se manifestar. Na adolescência vem  sempre acompanhado pela necessidade sensorial de se beijar, se tocar, se acariciar.
    Momento, local  se chove ou faça sol, deu vontade,o "pega" acontece. Risos.
    Parabéns José Carlos Sant Anna, seu olhar observando a vida ao redor é fantástica.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Benditas nuvens. Há que soprar, portanto.
    Inspirado, meu caro!

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  8. Olá, José Carlos, este conto, ou poema em prosa, escrito com maestria e conhecimento da poesia, lembrou-me Baudelaire que, com sua genialidade passou da escola simbolista para o que ele mesmo rotulou de poesia moderna, possivelmente em outras palavras. Dessa forma, Baudelaire contava as passagens do cotidiano de Paris em prosa poética, que nos tempos modernos assemelham-se à crônica brasileira. Mas era poesia em prosa. Foi isso, aliás, o que pensei sobre essa prosa poética do meu amigo Santana, com quem me congratulo.
    Uma boa semana, e um grande abraço.

    ResponderExcluir