domingo, 20 de abril de 2014

Polifonias II




I.
de inefáveis motes
corações abstratos
e febres loucas


II.
Dizes-me confusa
digo-lhe cafuzo

É o que sou da cabeça aos pés
até a glande não esconde
minha origem afrodescendente

Dizes-me confusa
digo-lhe cafuzo

É o que sou dos pelos à pele
um cafuzo penitente

branco só os dentes.

III
quando
menos se espera,
furtivo,
o mote arranha
a porta,
redime-se da recusa
e suga os cupins.

IV
nada, à parte o todo,
e, sem toldar-me a parte do todo,
toldo-me em febre pelo corpo todo.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o site da Quarteto Editora

e o meu outro blog

domingo, 13 de abril de 2014

Polifonia



I

O raiar do dia
é um vestido
de sombras
aguardando
o despir-se
da lua

II

soturno, enfurnado,
o camaleão invisível
é um vapor barato
roendo
um céu insensível.

III

No vale do outono
meu silêncio
tem sede de bailarinas
sepulcros
barbitúricos
e anti-histamínicos. 

IV

Porque é assim... inteira e única,
que atravessas o mar vestida de Pessoa
na alegria de ser eterna,
estrangulando o meu coração,
que tenta em vão
desatar esse nó

É o que faço
nessa ponte de meditação
entre
o pensar e o não-pensar
contemplando
outros silêncios do mundo.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o meu outro blog 

Visite o site da Quarteto Editora