segunda-feira, 10 de abril de 2017

O negócio é a busca (poema de Frank Jorge)


PELA TRANSCRIÇÃO


Frank Jorge é gaúcho. Nasceu em 20 de setembro quando se comemora a Revolução Farroupilha. Orgulha-se de ser torcedor do Internacional ainda que esteja na Série B do Campeonato Brasileiro. Fez Letras e acumula a experiência de ser músico.

Como é mesmo este negócio de buscar a beleza
para colocá-la num texto?
Isto se aprende, isto se ensina?
É preciso ter bom senso?
É preciso ter rima?

Como é mesmo este negócio de buscar a natureza
para tornar o condomínio menos enconcretado.
Isto é verdade, isto é mentira?
A mulher vive o dilema de ser ela mesma ou ser uma menina?

Como é mesmo este negócio de buscar o amor
e torná-lo natural dentro da sua vida?
Isto é necessário?
Pode ser coisa da cabeça ou tem que ser coisa sentida
Suaviza nossa alma?
Traz novas feridas curando as antigas ou permanece quieto
gerando incertezas e perguntas repetitivas?

A propósito buscar beleza, natureza e amor
é coisa de eu-romântico.


In: JORGE, Frank. Crocâncias inéditas. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 2001.
Jorge Frank é o pseudônimo de Jorge Otávio Pinto Pouey de Oliveira

2 comentários:

  1. Um arrebatamento de emoções,sempre nas nossas vidas_ estamos a todo momento na busca da beleza das palavras da natureza e do amor_o poema traduz o 'eu-lírico' interagindo com a 'natureza' de cada um que o lê.
    Muito bem escolhido JCarlos
    deixo abraço forte

    ResponderExcluir
  2. Como é, eu não sei, mas é legal.

    abraço

    ResponderExcluir