quinta-feira, 17 de setembro de 2015

No tempo das carruagens

Um coupé de gala, Museu Real de Arte e História, Bruxelas

O que faço da espuma
e da tua calcinha molhada?
É amor inocente ou sedução?...

E da chaleira incessante,
pura fervura
ou apenas um instante
de sofreguidão?

E do roçar dos corpos,
e da dança do ventre,
e dos orgasmos
no meio da multidão?

É um faço ou não faço
criando papéis ornados
do mais intenso tesão...

E o que posso mais dizer, então?

:)  Ah! é muito pouco
ter os bicos rosados na palma da mão!


(José Carlos Sant Anna)


11 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Poema bem escrito, gostei.
    A carruagem da foto devia ser a Ferrari da época.

    =)

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A primeira coisa que me ocorreu ao ver a carruagem, foi o magnífico Museu dos Coches em Lisboa. A seguir fiquei a pensar como até uma carruagem pode servir de inspiração!...:-)
    Quando a chaleira ferve ninguém tem tempo de perguntar- se é amor ou sedução, e de facto, serão muito pouco "os bicos rosados na palma da mão".
    Fiquei a imaginar como tudo seria ( e tanto, tantas vezes se passou!), dentro de uma carruagem com todas aqueles vestes e por vezes, uma multidão à volta!
    Excelente, Zé Carlos!
    xx

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. "ADORO" VOCÊ! MUITO OBRIGADA, JOSÉ CARLOS!

    Abraço -----------------------------------------------------------------------assim!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. epa... orgasmos no meio da multidão? Que assanhamento é esse?! Só se a carruagem tiver cortinas para que ninguém possa espreitar! ahaha
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Essa impetuosidade sempre existiu e sempre existirá... Só que hoje, sem o principal ingrediente, o romantismo.
    Doce poema.
    Beijos, José Carlos!!!

    ResponderExcluir