sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Postais III


Outro dia a voz de Otelo galgou os fios do meu telefone como se fosse o canto da cigarra atravessando a tarde e jogou a sua alma de encontro à fraga. Para uma alma que anda sem rumo, qualquer estrada pode ser estreita. Percebi aquele vinho ácido. Otelo já estava ancorado no meu telefone e não me poupava os ouvidos falando do seu criador sem parcimônia. Dizia-me coisas inacreditáveis que deixariam ruborizado o próprio Shakespeare. Uma fúria sem gala, que ia minando dentro de mim um túnel. Deixei-o falar a tarde inteira, profanando as flores, destruindo o carro mortuário, como se as exéquias estivessem ocorrendo naquele exato instante. Como já me habituara a essas tempestades, fechei os olhos e me abandonei àquela ladainha como a uma liturgia de um culto religioso, por exemplo. Quantas vezes eu contemplei na minha infância o abate de um porco? Ainda ouço os seus gritos de desespero quando a insônia invade as minhas madrugadas, parece gritar todo o horizonte dentro do meu peito. Morria em pleno dia, sem escolher a hora, sem poder inventar uma verdade para a vida, ainda que a vida não passasse de um cálculo aritmético para a sua pena no bolso do abatedor. 

(José Carlos Sant Anna)



Visite o meu outro blog 

Visite o site da Quarteto Editora 

19 comentários:

  1. Belo texto. Momento de reflexão!... Bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu vi minha avó abater um porco, a véia era menor que o porco, mas socou a faca no sovaco do bicho. Porco demora pra morrer, fica berrando.

    ResponderExcluir
  3. Boa madrugada meu amigo José Carlos.
    Que chato deve ser ouvir uma tarde toda palavras vindo de um ser sem rumo. Nem posso imaginar presenciar qualquer tipo de morte de animal para ser consumido pelos seres humanos. Deve ser angustiante, a minha falecida mãe sempre me dizia que eu era um carneiro, so depois de muito tempo perguntei a ela o porque, ela me explicou que o carneiro sofre para morrer calado, ela relatou a sua experiencia em ver um carneiro sendo abatido, só de escuta-la tomei horror . A muitos anos da minha casa não entra carne, confesso ao comer na rua, se não me lembrar ainda provo, mas isso é muito raro porque a minha filha é vegetariana, não come carne nenhuma.
    Um lindo fds.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Shakespeare, Otelo, Desdêmona...
    Ah! Socorro, e o porco? Eu morava na fazenda quando criança e vi muitas vezes esse quadro dantesco. Eu não tinha consciência ... Agora, quando me lembro disso, meu corpo físico e minha alma, parecem murchar de dor e ficam do tamanho de um grão de ervilha.
    Ainda bem que já evoluímos um pouco, a ponto de acharmos esse ato abominável e cruel.
    Querido José Carlos, saúde e paz!

    ResponderExcluir
  5. jogam-nos ao mar do acaso
    revolto.
    brota e liberta o tino
    o som se foi, assim
    como a inquietude

    [um dia depois do outro, enfim!]

    beijo,beijo

    ResponderExcluir
  6. Não sei se entendi este postal!...Vai sair parvoeira na certa!...:-)
    Li, reli, e fiquei pensando se não existirá aqui uma relação entre a tragicidade de Otelo, apunhalando-se a si próprio depois de ter assassinado a sua amada Desdémona, cego pelo ciúme, e o rouco e lancinante desespero do porco ao ser abatido...Por outro lado, indo mais longe, talvez demasiado longe; será que a suposta voz no telefone não poderia ser a voz de Iago e não de Otelo, agindo por inveja, tentando levar Otelo ao fim trágico?....
    " Uma fúria sem gala, que ia minando dentro de mim um túnel". O túnel escuro do ciúme?
    xx

    ResponderExcluir
  7. Por aqui, senti algo contraditório.

    Uma tragédia, os gritos que não bastam para acalmar o desalento, a tristeza ou qualquer outra má energia.

    Matam-se outros seres: é uma lei da sobrevivência. Cruel, mas realista.
    Desconheço se inteiramente necessária.

    Este postal veio invernar os anteriores.

    Propositado?
    Na certa.

    Tu sabes o que escreves e és mestre.

    beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. 'Quando a insônia invade as madrugadas'_ as minhas as suas _as vozes podem ser lancinantes mas podem também ser doces como os grunhidos dos porcos ou o chilrear dos pássaros .Basta tentar ouvi-las com olhos fechados ...e com os telefones desligados rs
    De verdade, estou tentando imaginar as 'coisas inacreditáveis que Otelo vem dizendo em seu ouvido ... desculpe se nao percebi as metáforas e os devaneios do postal .O certo é que me atingiu me afetou e me trouxe aqui.
    E gostei!
    abraços e bom domingo

    ResponderExcluir
  9. Bom dia José Carlos.
    Vim lhe desejar que nesta semana a se abrir feito as flores na primavera, desejo-lhe as melhores coisas desta vida e que os anjos de Deus estejam ao teu lado! Uma semana abençoada!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. José Carlos, meu amigo,

    Como é bom receber seu comentário, depois de tanto tempo que estive ausente do Deslocamentos. Aquele poema escrevi enquanto estava no hospital, acompanhando a minha irmã, que estava internada para tratar de um tumor cerebral. Ela, infelizmente, faleceu no mês passado.

    Gostei muito do seu texto, principalmente, do trecho final: "Morria em pleno dia, sem escolher a hora, sem poder inventar uma verdade para a vida, ainda que a vida não passasse de um cálculo aritmético para a sua pena no bolso do abatedor." Você sempre escrevendo muito bem. Parabéns.

    Um abraço grande,
    Lidi.

    ResponderExcluir
  11. Otelo, é uma obra de William Shakespeare.Por causa dos seus temas variados racismo, amor, e ciúme.Toda história gira em torno da traição.
    Lindíssimo texto de reflexão!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. A voz que se ouviu!
    nos fios do telefone
    de alguém que não se viu
    do outro lado, fartote.

    De tudo ou de nada,
    teria sim ou não razão
    se foi muita a trapalhada
    mais terá sido a confusão?

    Um abraço.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  13. Muchas gracias por tu encantadora vista!
    Saludos!

    ResponderExcluir
  14. Feliz Natal e Prospero Ano.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. José Carlos , você sempre nos surpreende com seus textos . Gosto da sua escrita , já lhe disse várias vezes e lhe agradeço por nos presentear . Aproveito para desejar a você e sua família um Natal abençoado e , um 2015 com saúde , alegria e paz . Beijos

    ResponderExcluir
  16. Passando pra deixar um abraço e desejar um Natal cheiinho de coisas boas .
    Que 2015 nos reuna novamente e possa estar por aqui lendo seus poemas e proseando contigo.
    Um prazer imenso também recebe-lo com comentários em meu blog.
    Muito obrigada JC por fazer 2014 mais feliz com sua presença companhia e amizade.
    Feliz Natal extensivos a Familia .

    ResponderExcluir
  17. Feliz Natal! Pra você é toda família. Que Deus te abençoe.
    Que Papai Noel realize todos seus desejos. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  18. Passando apenas para desejar Festas Felizes, Zé!
    Sem telefone!...;-)
    xx

    ResponderExcluir
  19. Boa Noite!
    Belas palavras que deixou em meu Cantinho.
    Otelo um Feliz Ano Novo! Que no Ano de 2015 você realize todos seus sonhos! Com muita paz e amor! Porque sem ele á vida não tem sentido!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir