quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Três canções para uma manhã chuvosa










I

Para este amor
que me parecia tão leve
não me faltariam palavras,
mas agora, 
ao abrir a caixa
do correio eletrônico,
vejo as contas chegando,
você partindo
e deixando
uma dor sem anestesia. 

II

Agora 
quando você passa
ouço os seus passos e o balançar 
de suas ancas a dizer-me: 
sou mi nei ra,
mi nei ra mi nei ra mi nei ra!  

III

Inventas passos no cascalho
lavrando horas

e o pássaro
que tens na alma
deixa escapar da tua veia

o canto 
que se esvai
na delicadeza do rio

derramando o dobre 
de uma ânsia pressentida.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o meu outro blog 

Visite o site da Quarteto Editora 


14 comentários:

  1. Um amor tão leve passa
    com passos bamboleantes
    no cascalho das horas
    deixando escapar o pássaro
    tão bem guardado na alma...

    Tres canções muito belas, José Carlos!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. As Canções e o Imponderável me fisgaram e me fizeram de-morar aqui, mesmo indo...Sabia que cometias e com requintada beleza Zé, bjo

    ResponderExcluir
  3. O amor é é esse jogo que se repete dia após dia em cada palavra dita.
    Ou não dita.O poeta saberá quais os caminhos para o coração?
    As chuvas nas manhãs são propícias às canções e a luz da aurora iluminará "ânsias pressentidas"
    Bonito JCarlos bonito!
    grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Delicadeza e beleza, gotas de chuva e de poesia...
    Beijos, amigo!

    ResponderExcluir
  5. O amor é sempre excelente fonte de inspirações para a sua alma de poeta.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Amores com requinte e beleza! Saudades, José Carlos!

    ResponderExcluir
  7. José Carlos , uma dor sem anestesia é realmente o que ocorre na partida . Adorei o poema , como sempre . Beijos

    ResponderExcluir
  8. "Vejo as contas chegando
    Você partindo..."
    Comovente, José Carlos.
    Bom dia, amigo!

    ResponderExcluir
  9. Ah que bom ter regressado a um blog e sentir que não perdi nada...que ainda estou em cima do acontecimento! Neste caso, um poema maravilhoso, e como costumo dizer, quem escreve muito bem, só pode escrever todos os dias como exercício, e depois publica de vez em quando. O bonito preço da qualidade.
    Todo o amor parece leve, e poderá sê-lo, mas pode tornar-se um enorme peso ou pesadelo. Nesse caso não existe realmente anestesia para a dor. A questão é suportá-la, pois todo o pássaro que existe na alma de alguém já terá deixado de cantar para nós.
    Excelente, José Carlos!
    xx

    ResponderExcluir
  10. Os quadris das mineiras são de requebro que mexe com equilíbrio da gente.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  11. Bom dia José Carlos.
    Que lindo poema. Antes sofrer a dor de um amor partindo, do que faltar coragem de amar por medo de sofrer. Enfim ainda é romântico meu amigo.
    Ando sumida, so respondendo ao comentários,mas não esqueço meus amigos. Um lindo domingo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Uma mineira que se vai, a poesia que chega.

    Em ritmo melodioso trauteio as tuas canções com saudades de saudações matinais ou sem hora de outros meridianos ou paralelos.

    Encantaste-me, José Carlos!
    Obrigado.

    No meio deste cinzento a tua cor me alegrou.

    Beijinhos

    ResponderExcluir