quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Do lado esquerdo


                                                 Para Margarida Farinha
Esse grito
dentro da medula
quem o plantou?
Encurralado
sem sol
e sem chuva
nutre raízes
no fundo do corpo
no âmago
espelho do homem
liberto da sombra
desfaçatez da vida
águas pluviais
que matam a minha sede
e me banham.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o meu outro blog  
www.souhospededoasturiasblogspot.com.br

Visite o site da Quarteto Editora 
ww.editoraquarteto.com.br


18 comentários:

  1. [ os teus pensamentos
    e meus sons
    pouco nítidos
    _essa coisa chamada vida]

    flui?

    beijO

    ResponderExcluir
  2. Deixas-me sem jeito e as letras me fogem.

    Quisera eu entender desse grito plantado em local secreto, tornando-o mais apetecível, ousando uma demanda pelo âmago da saciedade, dessas águas enfeitiçadas.

    Muito belo!

    Agradeço sem medida e aproprio-me do carinho imerecido.

    Revejo-me no teu espelho do lado esquerdo.

    beijo amigo

    Margarida Farinha


    ResponderExcluir
  3. E Era Tudo Muito Bom, venho de lá agora,
    cheguei aqui ouvi um grito
    para entrar antes bati na porta
    em silêncio encontrei um poema bem escrito!


    José Carlos Sant Anna,
    Caro amigo poeta
    desejo-lhe bom fim de semana,

    Eduardo.

    ResponderExcluir
  4. Isso é que é escrever bem, José Carlos!
    O grito é o veículo sempre diferenciado do prazer e da dor. Por isso inevitável em certas situações.
    xx

    ResponderExcluir
  5. Bom dia

    Bem diz a Pérola, que encanto de espaço, e poesia. Amei.

    Beijo
    Bom sábado

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  6. Grita-se e haverá sempre alguém que o ouça...Na luz do tempo e do caminho...
    Estou aqui por sugestão da Pérola; gostei muito...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  7. Teu blogue foi recomendado pela Pérola, esse poema tem um estilo bem diferente do que tenho visto. Gostei da crônica do futebol.

    ResponderExcluir
  8. Anatomias


    no corpo
    as vias
    são
    de fato

    no verso
    os fatos
    cheios
    de vãos

    (Joelma B.)

    beijos, poeta querido!!

    ResponderExcluir
  9. Só pode ter sido o poeta, amigo! Um outro qualquer não deixa o grito na medula...
    Encantei-me!
    :)

    ResponderExcluir
  10. Em que célula, em que átomo de nós, se esconde esse grito?...
    José Carlos, boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Olá
    Venho rapidamente agradecer a sua visita em minha casa.
    Encontrei um soberbo poema, que me deixou de queixo caido. Parabéns

    Um beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  12. Como é bom encontrar amigos com gostos tão requintados.

    Por aqui o sarau se recomenda.

    Fio feliz nestas partilhas e nelas ...aconteço.

    Beijos

    Escreves duma forma tão fluida, como grito expontaneo.

    beijo

    ResponderExcluir
  13. Muito lindo!
    mais ou menos como outro poeta disse _ " quando há seca absoluta do lado de fora/continuam fontes a borbulhar dentro do coração."
    e 'banham-nos'
    Abraço , saudade.

    ResponderExcluir
  14. "Saberá que, no centro
    de seu corpo, um grito
    se elabora?"

    [Ferreira Gullar]

    ResponderExcluir
  15. Intenso, forte: engasguei, José Carlos!

    Muito bom, excelente!

    ResponderExcluir
  16. Boa noite José.
    Um belo poema, intenso, .
    Um feliz final de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. grito encurralado...desavisada...vi meu grito...o que você fez?Sem palavras. ..

    ResponderExcluir