sexta-feira, 16 de maio de 2014

Outro oceano


                       
Cabo da Roca - Portugal    (Foto: arquivo pessoal)

I
Ao atravessar o oceano sem alfândegas, sem cartografias, sem códigos e mapas, apenas lavrando no mar alto o vento no meu rosto, pesando as ondas das minhas entranhas, ao lado das gaivotas, sorriso enigmático, voo abrindo um túnel no espaço  e sigo a travessia com as espumas na minha crina até cumprir a minha sina em 3D. 

II
Embora de tensões turvas, é de um amor inabalável o admirável mundo novo desse oceano interdito que atravesso, descarnando ilusões, lágrimas e sonhos e, como um rio, leve, vou tecendo palavras, vou me desaguando sobre tuas ondas, ouvindo o teu coração bater e acordando a poesia que brota da tua vida refratada.

III
E se estendo as mãos para alcançá-lo, o vento açoita a minha cabeleira rastejando-a sobre as tuas águas, que assim chama por mim, e me arrancando aos pedaços, vou escrevendo as névoas da memória da vida profusa que me acalenta, recompondo as histórias há muito tempo guardadas, mas que vão aquecendo a travessia, sem que prospere um sol de dúvida.

IV
É dos meus músculos que explode essa energia para rompê-lo numa sintaxe sem limites e, ao repousar-me nas tuas órbitas, sem que a tua espuma se transforme em sal ou pedra, sinto as cintilações, os frêmitos das ondas que não se extinguem sobre o poente e, enquanto vai morrendo a claridade, o fulgor do horizonte reacende os meus olhos.


(José Carlos Sant Anna)

meu outro blog

Visite o site da Quarteto Editora








13 comentários:

  1. José Carlos , sua escrita é fascinante . O uso perfeito e delicado das palavras junto de sua sensibilidade leva-nos a viagens muito bonitas . Obrigada . Beijos e ótimo final de semana

    ResponderExcluir
  2. Viva!
    Hoje tive um tempinho extra, para poder ler e comentar como deve de ser.
    Normalmente uso o G+1 para marcar presença, mas nem sempre me satisfaz.
    É um privilégio ler escritos bons, e eu vou tentar ser mais presente.
    Abraços e beijos. D

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  3. Boa noite José.
    Que linda foto,amo o mar,e essa imagem me transmitiu um mistério,uma paz,loucura rsrs,mas ando na orla a admirar a beleza do infinito.
    Como sempre bela escrita.
    Uma ótima semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Um local conhecido, deste Oceano com fins longínquos.
    Uma viagem açoitada, despida de dúvidas onde apetece estender a mão ao navegante,, qual náufrago determinado.
    Uma sina cumprida na espuma da promessa com cheiro de algas.
    Águas vencidas por um olhar que reluz na resposta ao cansaço deixado para trás.

    Desta feita, os teus feitos igualam-se aos dos descobridores portugueses e aniquilaste o teu Adamastor com a ilusão em punho e o sonho como bússola.

    Agigantaste-te.

    As palavras sabem a prova vitoriosa.

    Belo, sem dúvida. Igualaste a majestade oceânica.

    Estendo-te as mãos deste lado e digo: 'Sê bem vindo'.

    Beijo





    ResponderExcluir
  5. Já havia comentado outro dia esse belíssimo poema e agora vejo que o mesmo não entrou, mas nada do que eu disse se comparava ao comentário perfeito da Pérola.Diante dos verdadeiros poetas, silencio e absorvo maravilhada a aula.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. É preciso admirar o reflexo conjunto da luz sobre o mar...

    beij0

    ResponderExcluir
  7. Boa noite José.
    Vim lhe desejar um final de semana de muitas alegrias,deixo uma sementinha da felicidade rsrs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Uau!!! Belíssimo.
    José Carlos, beijo!

    ResponderExcluir
  9. Eu consigo sempre "tocar" um pouco nesse amor presente nas suas linhas, como se todas as suas passagens fossem inteiramente cobertas por ele.

    ResponderExcluir
  10. Meus olhos reacendem ao te ler....

    Maravilhoso!

    Beijo, caríssimo.

    ResponderExcluir
  11. atravessei o oceano nos teus versos...

    beijo, poeta admirado!

    ResponderExcluir
  12. O mar de fora e o mar de dentro. Enquanto se sente o vento em alto mar, existirá uma simples brisa fugaz, ou uma tempestade incomensurável no mar de dentro. Talvez um furacão a surgir.
    Enérgico esse oceano que te apela, que te faz romper as palavras que se dizem. Através da travessia em claridade, ou em relativa treva, mas sem sombra de dúvida. E a implícita junção de um rio ondulante com o seu mar, o desejo de foz, no mais profundo encontro entre um homem e uma mulher, através da explosão de músculos, (e nervos diria eu...)
    Muito lindo, Zé!
    xx

    ResponderExcluir