quinta-feira, 29 de maio de 2014

Meridianos



mãos vazias
e um meridiano
esquecido de si mesmo

como se
uma mensagem na garrafa
perdida no prosaico
sem limites
nas possibilidades
que se abre de chegar
a algum lugar
fosse a revelação do desejo

e no meio das perdas
onde tu não cabes
um coração
e a  falta de resposta
nas palavras que se negam
perdidas nas baías
são o leite das auroras
postergadas

e como se
o prosaico em direção 
ao aberto
ao vazio
ao livre
mesmo longe
estivesse à procura do lugar
do nome que me deste
na orla deste meridiano.

(José Carlos Sant Anna) 

meu outro blog 
www.souhospededoasturiasblogspot.com.br 

Visite o site da Quarteto Editora 
www.editoraquarteto.com.br

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Outro oceano


                       
Cabo da Roca - Portugal    (Foto: arquivo pessoal)

I
Ao atravessar o oceano sem alfândegas, sem cartografias, sem códigos e mapas, apenas lavrando no mar alto o vento no meu rosto, pesando as ondas das minhas entranhas, ao lado das gaivotas, sorriso enigmático, voo abrindo um túnel no espaço  e sigo a travessia com as espumas na minha crina até cumprir a minha sina em 3D. 

II
Embora de tensões turvas, é de um amor inabalável o admirável mundo novo desse oceano interdito que atravesso, descarnando ilusões, lágrimas e sonhos e, como um rio, leve, vou tecendo palavras, vou me desaguando sobre tuas ondas, ouvindo o teu coração bater e acordando a poesia que brota da tua vida refratada.

III
E se estendo as mãos para alcançá-lo, o vento açoita a minha cabeleira rastejando-a sobre as tuas águas, que assim chama por mim, e me arrancando aos pedaços, vou escrevendo as névoas da memória da vida profusa que me acalenta, recompondo as histórias há muito tempo guardadas, mas que vão aquecendo a travessia, sem que prospere um sol de dúvida.

IV
É dos meus músculos que explode essa energia para rompê-lo numa sintaxe sem limites e, ao repousar-me nas tuas órbitas, sem que a tua espuma se transforme em sal ou pedra, sinto as cintilações, os frêmitos das ondas que não se extinguem sobre o poente e, enquanto vai morrendo a claridade, o fulgor do horizonte reacende os meus olhos.


(José Carlos Sant Anna)

meu outro blog

Visite o site da Quarteto Editora