domingo, 13 de abril de 2014

Polifonia



I

O raiar do dia
é um vestido
de sombras
aguardando
o despir-se
da lua

II

soturno, enfurnado,
o camaleão invisível
é um vapor barato
roendo
um céu insensível.

III

No vale do outono
meu silêncio
tem sede de bailarinas
sepulcros
barbitúricos
e anti-histamínicos. 

IV

Porque é assim... inteira e única,
que atravessas o mar vestida de Pessoa
na alegria de ser eterna,
estrangulando o meu coração,
que tenta em vão
desatar esse nó

É o que faço
nessa ponte de meditação
entre
o pensar e o não-pensar
contemplando
outros silêncios do mundo.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o meu outro blog 

Visite o site da Quarteto Editora 

15 comentários:

  1. Poder ver a lua despir-se, só numa poesia assim.
    Bom fim de semana cafro amigo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia José.
    Que linda poesia,viajei neste mar , no pensar,não pensar,só sentindo a brisa do mar. rsrs.
    Suave são as suas palavras que sopra.
    O riso que faz que de mim aflore.
    Sua simpatia que brilha.
    Suave é a vida.
    O nascer de um novo dia.
    O silencio as vezes também é terapia.
    Suave também é a sua amizade.
    Um abençoado dia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Hipnotizou-me esta sinfonia de vozes, uníssonas, qual canto mágico:
    o vestido que se veste, sem pressas, do raiar do dis; o insensível céu onde tudo pode acontecer; até fomes de curas para enfermidades do corpo em ciclos que não se controlam; depois, a tal ponte que abraça margens, encurta oceanos e diminui universos.

    Entre a contemplação e a leitura deixei-me perdida por aqui.

    Beijo

    P.S. Uma linda semana!

    ResponderExcluir
  4. Tantas vozes e uma só inspiração _ você, o poeta fazendo despontar o 'sol' numa noite de luar,
    'porque é assim' , único especial sensível gentil poesia só poesia
    obrigada JCarlos , muito muito lindo!
    linda semana
    abraço

    ResponderExcluir
  5. A diversidade esmaga-nos, muitas vezes na incapacidade de "capturarmos" o desassossegado encantamento...
    Sempre bem, José Carlos!

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Achei um grande barato, José´Carlos.
    AC tem toda razão.

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Sugestão de poesia

    a lua vestida de vermelho?
    ah um sopro na saia dela
    duma ventania de poeta!

    beijo, meu poeta admirado!

    ResponderExcluir
  8. José Carlos ,
    " Atravessar o mar vestida de Pessoa " , só mesmo sua eleita .
    Adorei o poema e fiquei feliz que tenha me visitado .
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Quarteto de peso!
    Você entende do riscado....

    Beijo, caríssimo*

    ResponderExcluir
  10. [e... os destroços ergueram-se em forma de flor]

    coisa linda!

    beij0

    ResponderExcluir
  11. OI JOSÉ CARLOS!
    É SÓ PARA OS POETAS, "CONTEMPLAR OS SILÊNCIOS DO MUNDO"...
    BONITO AMIGO.
    AGRADEÇO A VISITA A QUAL RETRIBUO CONTENTE.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Procuramos mil motivos, ao "contemplar outros silêncios do mundo".
    Belos e introspectivos pensamentos, José Carlos.
    Amigo, beijos e paz!

    ResponderExcluir
  13. José Carlos , hoje venho para desejar a você e família uma alegre e abençoada Páscoa . Beijos

    ResponderExcluir
  14. estou embaralhado em sons, sim, fonia


    abraço

    ResponderExcluir
  15. Não te incomodes, já estou de saída.

    Não sem antes admirar o 'strip' da Lua perante o deleite da aurora, assustar-me com camaleões comilões, ser-te ombro na saga outonal que já aqui se apresentou, sentindo-me sereia cruzando mares por onde me sou inteira, desantando nós desnecessários, fazendo-me ponte por entre rios de silêncio, kilómetros de mar sem descanso.

    Que bom o teu chá!

    Obrigado.

    Voltarei para nova cavaqueira.

    Beijo

    ResponderExcluir