quinta-feira, 6 de março de 2014

Arrimo



cala a boca menino,
esse é o mote, e outro, o grito.

e pelas mãos do outono
antes que um sol de alfarrábios
penetre os umbrais e as soleiras
dos sítios desta casa,

com os vestígios do poema
já derruídos,
convoco para o nosso convívio
uma encarnada e imemorial
tarde de bordados rugosos

que, por meandros
inexplicáveis,
calou as vozes das fantasias
ofegantes do nosso paraíso.

para dizer-lhe que
essa interdição é uma hecatombe,
e que o hiato já procura
o seu alforje,
                          recolhendo-se.


(José Carlos Sant Anna)


Visite o meu outro blog

Visite o site da Quarteto Editora

14 comentários:

  1. Um arrimo soberanamente feito.
    Abraço caro amigo.

    ResponderExcluir
  2. Incisivo e sensível demais, muito bom!
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo,
    _ parece daqueles anjos que cantam só pra mim.
    Dá vontade se abrigar nesse poema Carlos_ como fazem os 'arrimos',
    belíssimo
    abraços

    ResponderExcluir
  4. Aconchegos necessitados por entre sombras e bordados, simplesmente a precisar de se recolherem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. José Carlos , bordar as palavras fazendo delas o que deseja o coração é dom de poucos . Bom que o tenha conhecido e possa apreciar seus trabalhos . Melhor ainda , quando sou presenteada com seus comentários no meu blog . Obrigada . Beijos

    ResponderExcluir
  6. José Carlos: você faz uma dança com as palavras..harmonizando-as...solenemente...abraços meus

    ResponderExcluir
  7. José Carlos,
    Nota-se, a cada post, um maior à vontade com as palavras. Isso é bom, dá confiança e, por que não dizer, suscita ousadias. É o que esperamos, os leitores, a cada novo mergulho nas palavras.

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Que linguagem rica!

    Admiro-te, caríssimo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Estava certa de já haver comentado esse poema.
    Mas nada disso aconteceu.e ele é lindo!

    Beijo,

    ResponderExcluir
  10. mesmo que cismas calem a boca do menino, sua voz é sempre ouvida!!

    lindo poema, lindo...

    beijo, poeta admirado!

    ResponderExcluir
  11. OI JOSÉ CARLOS!
    VIM ATÉ AQUI E MINHA SURPRESA AO CHEGAR, FOI VER QUE JÁ HAVIA LIDO ESTE TEXTO TAMBÉM, SÓ QUE AO COMENTAR, O FIZ EM TUA OUTRA PÁGINA.
    TAMBÉM MUITO BONITO TUDO POR AQUI.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá José Carlos,
    Uma riquíssima obra! Parabens!

    Obrigada pela presença no Atitude.

    Beijos e o eu carinho.

    ResponderExcluir
  13. Você se reinventa sempre, poeta! E eu adoro... Esse final foi demais!

    Beijos,

    ResponderExcluir