domingo, 5 de janeiro de 2014

Vestígios

foto: arquivo pessoal - Parque Lage


Os vestígios
da água, a fome do verso 
oculto, imaginado,
que os teus lábios fisgam

as rápidas cortinas deste amor 
                           [inalcançável]
sacudidas pelo vento

a labareda acesa, prolongada

febre, euforia, imersão, rio de fogo
açulando os corpos em agonia
           
as brumas de uma noite interminável
bem na pele de quem as guarda

pouco duram até chegar ao nada
como o pranto em água transformado

porque o amor que sabe tudo 
de glicínias, lírios ou candelabros 
às vezes se perde 
                                  em feridas precoces.

(José Carlos Sant Anna)




Visite o blog da Quarteto Editora 
www.editoraquarteto.com.br



Visite o meu outro blog


14 comentários:

  1. Bom dia José Carlos.
    Eu vim lhe desejar um lindo e abençoado més de janeiro.
    Que Deus lhe abençoei e lhe ajude a obter os seus ideais.
    Uma ótima semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. [ amanhece...
    e acheguem bem-te-vis
    e bandos de pequenos colibris
    a beijar todas as flores
    e teus pensamentos]

    ResponderExcluir
  3. As feridas latejam mas depois , para nosso conforto , cicatrizam . Lindo poema , José Carlos . Beijos

    ResponderExcluir
  4. Lindíssimo poema, José Carlos. Mas, é sempre assim , o amor nos faz abrir o portal do sofrimento, as "feridas precoces"...
    Amigo, um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. É assim o amor, poeta. É bem assim. Queria dizê-lo como tu dizes. Ave, Poesia!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  6. A poesia desliza entre os teus dedos como água pura e perfumada. Ah! As labaredas do amor...que tanto ardem e acabam muitas vezes por ficar gélidas! Que maravilha!
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  7. Um poema de tirar o chapéu. E como diz a Tania, o amor é assim mesmo.

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. ...as sensações ainda mais cruas!

    Belíssimo!
    Beijos, poeta admirado!

    ResponderExcluir
  9. Lira de gente grande!

    Beijo, caríssimo*

    ResponderExcluir
  10. Que vestígios amorosos e de amor inteiro.

    Quem dera saber ler tais pegadas!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Ainda assim é tão bom amar...

    Belo!

    Beijinho, meu querido.

    ResponderExcluir
  12. Bom dia José.
    O amor pode causar feridas,mais também cura.
    O amor pode ate trazer sofrimento,mais é triste não se permitir amar por medo de desilusões.
    Obrigada pelas suas palavras.
    Um ótimo final de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Melancólico e belo de se perder dentro...

    Um 2014 pleno em inspirações amigo poeta!

    ResponderExcluir