quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

O gol perdido




O porteiro gritou tão alto sua indignação quando viu a bola perdendo-se pela linha de fundo que o prédio inteiro acorreu à janela para saber o que tinha acontecido. Ela, então, se aproveitou da gritaria e foi embora sem dizer adeus.
Era o meio da tarde. Um pouco depois das quatro horas... A última vez que a vi.
Nunca mais esquecerei aquele olhar.
Agora que ela se foi, descubro que o melhor é que não tivesse ido, pois, sem que eu soubesse, os profetas também abandonaram a igreja, e os anjos barrocos do altar não me ouvem.
São inúteis as minhas lamúrias no vão da nave. Por que vim parar aqui, eu não sei. E nada ao redor justifica a minha presença, perdida, dentro da igreja.
Levitando, lavo os lhos com as próprias lágrimas. E como se fosse possível segurar as nuvens, levanto as mãos, e os olhos, lavados, para o alto e me pergunto:
– As montanhas sempre estiveram ali?
Na minha boca os laivos da agonia daquele olhar. Pergunto-me ainda por quanto tempo guardarei aquela imagem. Mas não quero resposta porque serei sempre um prematuro para entender o tempo absoluto do amor. O tempo do amor é sempre um tempo de fome. De carências. De renúncias. E as mágoas são um cacto, dilaceram como um cancro.
Abandono essas reflexões tolas quando o padre, paramentado para dizer a missa, entra. Me despojo das meias e dos sapatos. Me sinto mais puro assim. Contrito, dobro a bainha da calça até o meio da canela, pareço um matuto, mas sou um burguês, é o que eu sou, de pele amorenada, querendo que um deus resolva essa pendenga.
Somente Ele e eu sabemos do que se trata. Afinal, Ele sabe tudo, não é o que dizem? Além disso, você não me perguntou, e eu também não lhe disse por que ela foi embora. Achei que não lhe dizia respeito.
Aliás, acho que ela também não sabe por que se foi, disse-me simplesmente que estava saindo da minha vida, sem mais por que. 
A última vez que a vi foi quando o porteiro do edifício se indignou com o gol perdido pelo artilheiro do seu time. 
Um pouco depois das quatro, já disse. Um perna de pau aquele jogador medíocre. O único que não sabia disso era o porteiro.

(José Carlos Sant Anna)

Visite o blog da Quarteto Editora

Meu outro blog

13 comentários:

  1. Domínio pleo da escrita. Sempre acreditei que as grandes realidades estão na ficção, na literatura. E é inevitável ler e pensar sobre "ela", sobre "ele", saber que houve uma partida e quedar-me a pensar: será que ela volta? MUITO BOM te ler... Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Um gol de letras...
    Você se sai bem tanto na prosa quanto na poesia.

    Beijo, caríssimo!

    (O adeus é ateu?)

    ResponderExcluir
  3. Eu vejo poesia em tudo o que escreves!
    Que ela volte!

    beijo, poeta admirado!

    ResponderExcluir
  4. ....e??
    sou o que tenho
    em unicidade catastrófica.....


    eu fico.......rs



    [1 beij0 contém]

    ResponderExcluir
  5. Os porteiros nunca sabem de nada - haja visto os nossos.

    Quem sabe ela não vai voltar?

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Um conto delicioso, que ao meu ver, ali, ninguém parece saber de nada... rs

    Beijinho, querido.

    ResponderExcluir
  7. o porteiro,o gol perdido e a história de um adeus

    p.s. de uma forma ou de outra
    a missão da vida é dar adeus


    abraço

    ResponderExcluir
  8. Bom dia José. Lindo dia.
    No amor nada é para sempre,nem o próprio amor rsrs. Sou romântica mais não ao ponto de dizer que o amor é eterno.
    Na minha opinião é eterno enquanto dure, e por isso devemos aproveitar ate os segundos quando estamos amando rsrs.
    Quem sabe do amanhá.
    Mais também acredito que um adeus pode não ser definitivo. Espero que nessa historia seja o caso , e os dois possam relembrar ainda com mais intensidade o que viveram.
    Estou ausente um pouco do virtual, agora escapulir para matar a saudade, e vim lhe desejar um lindo final de semana.
    As vezes conciliar tudo fica difícil, e o virtual por mais que eu goste, as vezes não pode ser priorizado, porque a prioridade e viver a vida em toda a sua plenitude.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Gosto desse jogo de palavras deslizantes, desses pensamentos sem freios, desses sentimentos sem medida que se atropelam na mente, como pipoca estourando...Gostei muito, José Carlos.
    Querido amigo, tenha um dia feliz!!!

    ResponderExcluir
  10. José Carlos ,
    Você sabe jogar com as palavras .Levantar a pele delas e nos presentear .
    Obrigada .Beijos e belo final de semana .

    ResponderExcluir
  11. E ela se foi mesmo?
    Se a referência do gol permanece tão vincada talvez as cinzas ainda estejam quentes.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Bom dia José.
    Vim lhe desejar uma linda semana, com muito amor, paz, e que seja uma semana de realizações que lhe traga muitos motivos de sorrir, você merece.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Olá José Carlos

    Eta que texto danado de bom de ler hein! Alias o blog inteiro é muito bom!Parabens!

    Muito obrigada pela gentil visita no Asas http://asasdosversosmeus.blogspot.com.br/ (respondido la viu) e se quiser conhecer tambem o Atitude sera mt bem vindo! http://temosatitude.blogspot.com.br/

    Depois vou conhecer o outro espaço!

    Beijo!
    Até+

    ResponderExcluir