domingo, 21 de abril de 2013

Primeiro esboço dos meus descuidos com o branco

Claudia Andujar



Tinge tornando o crepe
tecido sem timbre
impossível de descrever

o limão úmido sangrando
um excesso de beleza
trava a língua
o canto
e a iminência do escuro

reparti-lo 
nas palavras que procuro
os pilares do dia 
apunhalados

na primeira luz da manhã são 
rasgando 
precioso segredo
o meu descuido com o branco

a memória amorosa 
de outros corpos 
tateante  
pairando disfarçada entre 
os escombros da fumaça

os filamentos dourados
as réstias      os seios de perfil
as clepsidras mudas
a página final

vagarosas reminiscências
ah! elas não me fazem bem.



7 comentários:

  1. Vagarosas reminiscências não nos fazem mesmo muito bem.
    Mas seus poemas são bons demais, José Carlos.

    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  2. José Carlos,
    As vagarosas reminicências que invandem o nossos dias e nos fazem insones a noite, poeta da vida.
    Perfeito, cada verso um estremecer.

    Abs, poeta

    ResponderExcluir
  3. esboço fenomenal, certas sonoridades são incandescentes, (clepsidras mudas) putz, evoé poeta


    abraço

    ResponderExcluir
  4. Perfeito. És um poeta de imagens raras e belas. Te ler é muito bom.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  5. Muito bom. Inda bem que você põe no papel o que não te faz bem.

    ResponderExcluir
  6. Ah, José Carlos, a sua voz ecoa mesmo!

    Abraço

    ResponderExcluir