quarta-feira, 20 de março de 2013

Tocando as margens da poética de Assis Freitas


Para Assis Freitas

Ligeireza da palavra
e quase tudo por dizer 
em frêmito palpável jorra

– a chama, o silêncio
a dádiva, um corpo legível
Mas... mais que perfeito!

– e sempre algo a mais a querer
o improvável em aberto.

7 comentários:

  1. pois sem margens estou, em busca de um improvável rio as minhas águas


    grato, grato e pura emoção



    grande abraço

    ResponderExcluir
  2. José Carlos, mais, mais que perfeito o poema e essa alma tão imensa que posso ver: grande, poeta! Grande!

    Beijos,
    p.s. E esse Assis merece o poema, à altura do mestre.

    ResponderExcluir
  3. Salve!

    a perfeição existe diante do fôlego incansável...


    abraços!

    ResponderExcluir
  4. Vc sempre diz e diz muito em tudo, meu caro.Bj

    ResponderExcluir
  5. O abraço de dois grandes poetas.

    ResponderExcluir