quarta-feira, 13 de março de 2013

Ella e o espanto do cantar




De modo algum, as nuvens tinham pressa e, se olhavam para baixo, havia um desdém ao fazê-lo, posto que não quisessem legitimar nada que sugerisse que havia algo lá fora, além das estrelas. Mas Ella Fitzgerald se sentia bem em casa ao lutar com os moinhos de vento, que remexiam as nuvens, adulterando a ginástica que fazia, para, sem um uivo ou um grito, sofisticadamente erudito, nos rastros de um Quixote que nunca leu Bolãnos como aquele sempre sonhou, enquanto este sonhava, um dia, ver o Sancho Pança ganhar uma luta por nocaute na vida real. 
Ella canta como uma diva nos jardins do Éden.


3 comentários:

  1. Ella é um talento e tanto, também gosto demais dela.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. qualquer nuvem apascentada
    será estrado para ella
    lugar de repouso
    além do bem e do mal



    abraço

    ResponderExcluir
  3. Com Ella as nuvens nunca tinham pressa, eram reféns do seu talento.

    Abraço

    ResponderExcluir