segunda-feira, 25 de março de 2013

leve na dor que me vence levemente




doem-me os pés descalços na areia
rochedos musgos conchas
desamparados

e um pedaço da lua

adormeço coberto pelas suas carícias
porque não me apetece morrer 
no calor das pedras

o corpo, a chama, às vezes um suspiro,
a certeza de beber contigo em outros horizontes

e o sinal mais breve da dor que me vence
levemente.




quarta-feira, 20 de março de 2013

Tocando as margens da poética de Assis Freitas


Para Assis Freitas

Ligeireza da palavra
e quase tudo por dizer 
em frêmito palpável jorra

– a chama, o silêncio
a dádiva, um corpo legível
Mas... mais que perfeito!

– e sempre algo a mais a querer
o improvável em aberto.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Ella e o espanto do cantar




De modo algum, as nuvens tinham pressa e, se olhavam para baixo, havia um desdém ao fazê-lo, posto que não quisessem legitimar nada que sugerisse que havia algo lá fora, além das estrelas. Mas Ella Fitzgerald se sentia bem em casa ao lutar com os moinhos de vento, que remexiam as nuvens, adulterando a ginástica que fazia, para, sem um uivo ou um grito, sofisticadamente erudito, nos rastros de um Quixote que nunca leu Bolãnos como aquele sempre sonhou, enquanto este sonhava, um dia, ver o Sancho Pança ganhar uma luta por nocaute na vida real. 
Ella canta como uma diva nos jardins do Éden.


sexta-feira, 1 de março de 2013

Uma clara chama sob as águas




Julgava perdida a morte
que dançava sobre os seus cabelos,
cinza última,
um sopro de perfume da adolescência
e sem que soubesse da maçã
o gosto

Adormeceu sem ouvir o respirar,
o rumor das bocas nas palavras,
avesso da passagem do ar,
nudez matricial,
águas que não se cansavam do cântaro
iluminado

Esperava, a voz perdida,
a iminência do vento que respirava,
corpo vaporoso, última morada,
um inseto, o vaivém da folha
e um amor que se dissesse leve,
sem rastro

Finou-se com as águas afogando,
soltas, fosforescentes,
sob a luz da pele nos ossos,
que as hastes do efêmero trouxeram
sugando o seio desnudo do estio
perdido.